Tolerância

tolerar

Não sei quando é que o caldo entornou, pois temos a intolerância presente em todas as pessoas o tempo todo. Também não se trata de aceitar tudo e engolir sapos, creio que escrevo aqui para pessoas que têm bom senso. Limite é limite e temos que respeitar. Só que o teto de nosso limite está baixo. Qualquer coisa pode nos fazer estourar. Li outro dia um texto muito bom que falava, entre outras coisas, que os seres humanos, especialmente os brasileiros, parecem uma granada. Por menor que seja a ocorrência, o pino se solta e… É meio que por aí.

Sempre fui intolerante com tudo. Comigo, inclusive. Não suporto sequer pensar na possibilidade de “errar”. Em relação a qualquer coisa. Como, ao contrário do que pensam alguns leitores que afirmam, sem me conhecer, que eu me acho acima do bem e do mal, a verdade é que me acho uma porcaria em incontáveis situações, sendo assim, imaginem o quanto eu sou intolerante comigo mesmo. Chego a não tolerar a minha intolerância. Não sei qual é seu grau de intolerância ou de tolerância, mas tenho quase certeza de que algo pode ser feito para melhorar.

O efeito é devastador. Intolerância só faz mal à saúde de nossos Egos. Por vezes, senão na maioria delas, nos arrependemos das conseqüências. Ora, se sabemos que vamos nos arrepender, melhor estancar o problema lá em sua raiz. E onde é essa raiz? Detectar o problema é fácil, difícil é combater sua causa. Gosto dessa frase.

Não posso falar sobre a causa da sua intolerância, afinal, nem sei quem é você. Mas posso imaginar que as causas são meio que parecidas. Stress, problemas emocionais, financeiros, familiares… em suma, sofremos com alguma coisa e descontamos no motorista de taxi que lhe deu uma fechadinha no trânsito. A coisa chegou a tal ponto que as pessoas já não toleram uma opinião diferente da delas. Eu sempre falo que não existe opinião errada ou certa, existe opinião diferente. Mas quem é que tolera a diferença, não é mesmo?

Sabemos que o trânsito é uma fonte inesgotável de stress e de intolerância. Mas não é o único vilão. As frustrações também têm sua parcela significativa no processo. “Parcela significativa” para ser bonzinho. Na verdade, é a maior fonte de tudo.

Ando vendo muita gente – eu inclusive – falando muito mal da geração Y. Dizemos que eles são mimados, e são, que não sabem ou não conseguem lidar com as frustrações, e é verdade, que são superprotegidos pelos pais e pela sociedade, o que é inegável, e mais um monte de coisas. Pois bem, tudo isso está mesmo acontecendo, mas e as gerações anteriores? Quem é que sabe, afinal, lidar com frustrações? Não será essa a maior fonte de intolerância?

Eu penso que esteja aí a raiz do problema e na ignorância em lidar com elas. Quando escutamos alguém falar em frustrações, normalmente associamos ao um grande evento que não se consolidou. Bobagem. Frustração necessariamente não tem tamanho. Ela pode ser grande ou pequena. E como é que se aprende a lidar bem com algo frustrante? Deve ser um dos mistérios da humanidade.

Até hoje não li nada que me convencesse. Sim, alguém aí pode dizer que sou um chato e que para me convencer é preciso de muita coisa… é verdade, mas eu rebateria dizendo que todo mundo aceita tudo muito fácil. Ainda mais quando se trata de teorias de auto-ajuda, tratamentos terapêuticos, significado das palavras… enfim, sou feliz por ser esse mala. Nem quero me convencer facilmente, isso me causaria uma frustração imensa.

Tolerar não é fácil. Gosto de pessoas boas, tolerantes, mas muitas delas são na verdade bobas. Nem diria ingênuas, digo bobas mesmo. Já “peguei” gente assim para estudar. Não consegui chegar a nenhuma conclusão diferente de: “São pessoas bobas, tolas, conformadas com o que lhes acontece sem a menor capacidade de reação e incapazes sequer de detectar o que lhes causa frustração”.

Da mesma forma que estudei pessoas do outro extremo, os intolerantes, como eu, objeto principal de meus estudos: “São pessoas inconformadas, de alguma forma, muito reprimidas, agressivas, e incapazes de lidar com qualquer tipo de frustração”.

E você aí do outro lado, onde e encaixa?

Não sei como fazer para tolerar mais as coisas que desagradam ou frustram. Provável que usar a inteligência seja o primeiro passo, afinal, se sabemos que a vida é frustrante na maioria das vezes, nada mais justo do que criar uma barreira prévia contra a conseqüência das frustrações. Se é que são elas as “culpadas”…

MM

Anúncios
Publicado em Ego. 1 Comment »

Uma resposta to “Tolerância”

  1. Bruna Says:

    Se colocarmos no papel todas as vezes que erramos e que acertamos, não será surpresa verificarmos que a lista de erros é bem significativa, muitas vezes até maior do que a de acertos.
    A partir do momento em que aceitamos a nossa imperfeição, a nossa incapacidade de dar conta de tudo, de acertar sempre, o peso fica menor.
    Livramo-nos da culpa, o que é incrivelmente libertador.
    Você não precisa acertar sempre e fazer tudo perfeito para ser uma pessoa admirada, comprometida e capaz.
    O segredo está na aceitação, na capacidade de encararmos que somos susceptível de erros, que somos falíveis.
    Afinal, não somos máquinas, somos seres humanos.
    Bruna.

    Curtir


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: