Miami x São Paulo

Miami 1

Acabo de passar dez dias na Florida – EUA e resolvi externar minha opinião comparativa nesse blog porque é absolutamente inevitável comparar seres humanos daqui e de lá. É quase um desabafo em tempos de manifestações sem fundamento, ainda que tenha esperança de que os manifestantes estejam de fato finalmente se indignando com nosso país.

A diferença básica entre os países pode ser resumida em uma frase:

Lá temos que fazer força para procurar algo errado e aqui essa força é para encontrar algo certo.

O que me pergunto é: Por que tem que ser assim? Bem, as respostas são muitas, mas todas elas haveremos de encontrar um ponto comum: Respeito.

Brasileiro não respeita nada. Quando escrevo “nada”, me refiro a tudo. Não repeitamos leis, não respeitamos o outro, não nos respeitamos. Somos tão passivos que aceitamos o que o governo, em todas as esferas, nos faz sem reclamar. Como disse, ainda que estejamos tentando reclamar e protestar, o fazemos de forma errada, violenta e sem causa. Não temos líderes em que possamos confiar.

Na verdade, não confiamos em ninguém, nem em nós mesmos. Parece que está em nosso DNA que viemos ao mundo para levar vantagem em tudo, parece que pensamos apenas no EU, jamais em NÓS. Isso para uma convivência em sociedade é algo incompatível. Somos o país do Eu e que se dane o outro.

Brasileiros se mudam para lá às pencas. Claro, há os que simplesmente querem se dar bem na terra das oportunidades, mas eu entendo que a maioria apenas não aguenta mais tanta desfaçatez das autoridades e também da sociedade brasileira como um todo e busca um país onde o respeito é a palavra de ordem.

Vejam, não estou querendo dizer que lá é perfeito, longe disso e sei muito bem. Estou dizendo com todas as letras que quem se muda daqui não aguenta mais tudo ser imperfeito. E de fato tudo é imperfeito por aqui.

Temos a corrupção e a malandragem como um dos principais objetivos. Colamos na escola para passar de ano, falsificamos carteirinhas de estudantes, estacionamos em vagas para deficientes, jogamos lixo nas ruas, dirigimos feito loucos com pressa sem saber aonde queremos ir e por aí vai. Você meu leitor sabe do que estou falando.

Por fim, protestamos de forma violenta e votamos errado. Um protesto que me encanta seria uma Tolerância Zero com políticos, tipo, não reeleger um só candidato nas próximas eleições. Seria bem bacana. Mas aí surge outra pergunta: Será que votamos errado porque não existe candidato certo?

Pois é. Fico em dúvida se esses supostos comunistinhas que tentam liderar essas manifestações de agora não serão os candidatos errados do amanhã. Sim, já vimos isso acontecer. O Lula foi um desses. Liderou os metalúrgicos por anos pregando honestidade para depois fazer as barbaridades que fez.

Ter ficado novamente fora por uns dias me fez ter ainda mais nojo do Brasil e dos brasileiros, afinal, um país nada mais é do que um reflexo de seu povo. Não sou o cara mais certinho do mundo, bem longe disso, não sou hipócrita como vocês já sabem. Mas sinceramente, estou cansado de fazer parte desse mundinho sujo. Queria ter a chance de viver em um lugar onde posso jantar fora sem me preocupar com bandidos que fazem arrastão em restaurantes. Queria poder chegar de viagem cansado e não me deparar com tresloucados cidadãos furando fila para passar pela alfândega como aconteceu domingo. Tive que sair aos berros do meu lugar na fila par impedir que malandros passassem em nossa frente.

Grosso que sou, saí gritando pelo saguão do aeroporto: NEM FODENDO ALGUÉM VAI FURAR FILA E PASSAR NA MINHA FRENTE!!!

Alguns me olharam indignados com minha descompostura, mas os que estavam prontos para dar o bote ficaram sem ação temendo a minha violência. Sim, sou barraqueiro quando vejo meus direitos desrespeitados. Estou realmente farto disso.

Um cidadão logo à minha frente me disse: “O Sr. está certo. Também sou assim, sou até chato quando a questão é ter meus direitos violentados”.

Ora, então é chato ser decente? Se de fato ele o é, porque é que não fez nada quando viu neguinho tentando furar a fila?

Um país onde os valores foram invertidos a ponto de um cidadão aparentemente decente se considerar um chato por querer fazer valer seus direitos, não merece meu respeito.

A verdade é que me senti bem nos últimos dez dias. Sem stress psicológico algum, pude jantar fora sossegado todas as noites, sem medo de dirigir de madrugada após me deliciar nos belos restaurantes de lá quando voltava para o Hotel.

É bom ter paz. Todo brasileiro deveria ter a chance de experimentar. A pergunta que ainda me faço é: Será mesmo que o Brasil precisa ser assim tão errado?

By the way, essa foto maravilhosa foi tirada por mim onde repousei as cinzas de meu finado Pai. Como ele era fã desse lugar, fiz questão de realizar seu último desejo, um dos motivos desta viagem. Descanse em paz, velho, você realmente merece pelo que fez e por quem foi em vida, sobretudo, um homem que respeitava tudo e a todos…

MM

Publicado em Ego. 2 Comments »
%d blogueiros gostam disto: