Pushing the Limits

Pois é… confesso que ando preocupado com um problema sério. Acho que não só preocupado, mas profundamente triste. Ledo engano acreditar que os mais próximos estão imunes aos problemas que chamo de existenciais. Claro que não é um nome técnico, mas é assim que defino todo e qualquer problema que temos na vida, para mim, tudo vem lá da raiz, a existência.

Não vem ao caso comentar por aqui do que se trata, mas claro que esse problema que estou vendo tão de perto me fez refletir sobre diversos assuntos. Um deles, talvez o maior problema existencial que exista, é lidar com a pressão.

Sim, somos desde sempre pressionados o tempo todo. Quando crianças, nossos pais “acham” erradamente que temos que aprender tudo rapidamente. Nos colocam em aulas de música, escolas de idiomas, academias, enfim, se esquecem – sabe-se lá por que – que uma criança precisa basicamente de duas coisas: Carinho e viver. Entenda-se por viver todas aquelas atividades que só as crianças sabem executar: Brincar.

Culpa dos pais? Não só, pois a sociedade se encarrega de contaminar a mente dessa gente, uma vez que nas rodas de amigos, os pais sempre querem se orgulhar dos filhos dizendo tudo aquilo que eles fazem. Uma bobagem sem tamanho. Um pai contamina o outro e assim a “coisa” se torna incontrolável, tipo: “O filho do fulano faz isso, o meu tem que fazer também”.

A criança, coitada, vive sob uma pressão completamente descabida. Não faz nenhum sentido transformá-las em adultos antes da hora. Essa armadilha, que eu chamo de “antecipação da vida adulta”, que os pais atiram seus filhos vai custar caro lá na frente. O intuito nesse caso é: Quero que meu filho seja melhor que o do outro. Deveria ser, quero que meu filho seja feliz. Simples assim.

Não são poucos os adolescentes problemáticos. Os recém adultos também trazem consigo problemas que poderiam – deveriam, na verdade – ser evitados. Adultos com problemas então é o que não falta. Tudo por causa do excesso de pressão que a sociedade nos impõe.

Estudar, trabalhar, namorar, casar, procriar, enfim, é pressão em cima de pressão. Nós, idiotas que somos, aceitamos sem reclamar. Pior, incorporamos esse estado insalubre de tal forma que criamos e alimentamos nosso mais perigoso inimigo: Nós mesmos.

É verdade, nós nos estragamos com o passar do tempo. Nos pressionamos a ser bem sucedidos sendo que não paramos sequer um minuto para pensar no que seria realmente sucesso. Sem entender e sem pensar, agimos contra nós mesmos cobrando coisas que talvez nem sejamos capaz de fazer ou ainda, nem queremos ter ou ser.

Essa “auto-pressão” é o primeiro degrau para alcançarmos doenças como depressão, síndrome do pânico, transtornos de ansiedade e tantos outros problemas psíquicos que vemos hoje em dia, doenças modernas como diriam os mais “antigos”.

Estes, os mais velhos, também sofreram, mas passaram por cima sem pensar. Não sei se é melhor ou pior agir dessa maneira, mas o fato é que a sociedade moderna se preocupa com essas doenças talvez porque temos mais liberdade para sofrer.

Antigamente as pessoas apenas levavam a vida taxando todo e qualquer problema psíquico como frescura ou loucura. Nossa geração é diferente porque no fundo no fundo sentimos falta e damos importância ao… “Viver”.

Os antigos sobreviviam e achavam que a vida era nascer, crescer, trabalhar, reproduzir e morrer. Nós não, nós sentimos falta do bem estar mental. Nos preocupamos, mas ainda assim, agimos de forma errada. Aceitamos ser colocados ou nos colocamos entre a cruz e a espada.

O tempo todo nos impomos maiores limites, queremos ter e ser melhores do que nossa capacidade permite, enfim, somos nós os responsáveis. Conheço poucas pessoas que deram seu grito de liberdade. Eu fui um deles em relação a pressão da sociedade, família, etc.. Mesmo assim, passei a vida toda – e ainda sou assim – fazendo maldades comigo mesmo, coisas que chamo de “Pushing the Limits”.

Uma estupidez, eu sei, mas é assim que levei a vida por minha conta e risco, empurrando meus próprios limites.

E olha que sou um homem que aproveitou muito bem a vida, mas tenho que confessar que sempre dei um jeitinho de elevar minha “nota de corte”. Em alguns momentos até me ajudou a superar desafios, mas em grande parte do tempo só restou-me fazer uma pergunta: Pra que?

MM

Publicado em Ego. Tags: . 7 Comments »

Papo com a vida

Como hoje completo 50 anos de existência, resolvi bater um papo com a Vida…

– Parabéns, MM!!!

– Obrigado. Devo tudo a você.

– E o que significa fazer 50 anos, uma data tão simbólica?

– Quando olho pra trás vejo que fiz muita coisa.

– Se orgulha do que fez até agora? Acha que os outros se orgulham de você?

– Acho que fiz tudo o que queria. Eu me orgulho, não dou bola para legados.

– Você e seu jeito light de ser…

– Verdade, sempre penso em mim em primeiro lugar.

– Me conta, como tem vivido até agora?

– Pensei que tivesse acesso aos meus arquivos.

– Tenho a senha, mas gosto de perguntar “pessoalmente”.

– Não posso reclamar. Você tem sido boa comigo.

– Muita gente reclama de mim. Quer dizer que tenho sido legal?

– Olha, sinceramente, como posso reclamar se as escolhas foram minhas?

– Verdade.

– Altos e baixos, mas é essa a graça, não?

– Altos e baixos? Tá me chamando de Bipolar?

– A bipolaridade é o que faz tudo valer à pena.

– Bom que pensa assim.

– Mas para ser justo, tenho tido mais altos do que baixos.

– Hum, isso foi um elogio?

– Foi sim. Não tenho nada muito sério do que reclamar.

– E qual parte foi ruim nesses 50 anos?

– Umas e outras…

– Ah, me conta, quero saber.

– Algumas fases, mas nada muito grave. O que quer saber?

– Tipo… seu pior dia?

– 12 de janeiro de 2005.

– Nossa, respondeu na lata. Posso saber por que?

– Você tem os arquivos, pesquise!

– Ok, ok. E o melhor dia? Não vale o do nascimento do Rodrigo.

– São tantos… seria injusto escolher um só.

– Então o saldo é positivo mesmo.

– Sem dúvida que é. Tá carente? Querendo confete?

– Engraçadinho… Me conta uma coisa…

– Diga.

– Você pensa muito, certo? Já entendeu o meu sentido?

– Sentido da vida?

– É.

– Oras bolas, se soubesse, ficaria rico vendendo a resposta.

– Sou tão difícil assim de entender?

– Muito.

– No texto anterior você disse que aprendeu tantas coisas…

– E? O que isso tem a ver?

– Pensei que soubesse qual o sentido da vida.

– Olha, o que eu sei é que às vezes você não faz o menor sentido.

– Me conta, preciso saber para me aprimorar.

– Estou brincando… sua lei é a única que faz sentido.

– Que plantamos o que colhemos?

– Isso.

– É uma lei justa, não acha?

– Acho sim.

– Deixo nas mãos de vocês o poder das escolhas.

– Também me parece justo, mas…

– Mas…?

– Quanto mais opções, mais chance de errar.

– Aí já é com Deus, ele que aprovou essa emenda.

– Emenda?

– Sim, emenda à minha lei: O livre arbítrio.

– Eu sei. E esse é o maior problema.

– Fez muitas escolhas erradas?

– Impossível não errar.

– Arrepende-se de algo? Mudaria alguma delas?

– Mudaria sim.

– Quer conversar a respeito?

– Não.

– Taxativo. Ô gênio do cão…

– …

– E as escolhas certas, repetiria alguma?

– Todas!

– Fez mais escolhas certas ou erradas?

– Ainda estou colhendo. E também plantando…

– E de hoje em diante? Muita coisa por fazer?

– Algumas.

– Tipo?

– Vai realizar todos os desejos?

– De repente, se estiver ao meu alcance…

– Pra começar: Posso viver tudo de novo em 5 anos?

– É, acho meio difícil…

MM

Publicado em Ego. 14 Comments »

Coisas que aprendi…

Como estou prestes a completar 50 anos, vou fazer dois posts “comemorativos”. Este aqui é o primeiro, 50 coisas importantes que aprendi. No próximo, farei uma crônica – só pra matar a saudade, crônicas são minha paixão.

 Então vamos lá… Nestes 50 anos, a vida me ensinou que…

1 – …Deus existe.

2 – …se permitirmos, a família acaba com nossa vida.

3 – …ser humano é uma experiência que não deu certo.

4 – …”contemplar” é o mais perto que se chega da paz.

5 – …dependência emocional é um câncer.

6 – …desculpinhas e justificativas não levam a lugar algum.

7 – …viver pode ser bem gostoso.

8 – …os humanos não amam incondicionalmente.

9 – …tomar chuva faz bem à alma.

10 – …a tolerância deve ser um exercício constante.

11 – …a maioria das pessoas precisa de um guia. Poucos têm opinião própria.

12 – …nenhuma mulher vive bem sem um amor.

13 – …o homem é mais leal que a mulher.

14 – …numa relação amorosa, a intensidade é mais importante que o tempo.

15 – …ter uma segunda atividade, um hobby, é fundamental para o bem estar mental.

16 – …morar uns tempos sozinho é a melhor maneira de crescer.

17 – …impossível mentir para um espelho.

18 – …não precisamos de outra pessoa para ser feliz.

19 – …em família, afinidade é o que deve nortear as relações, não o sobrenome.

20 – …a dor, seja ela qual for, passa logo. O prazer também.

21 – …conhecemos muita gente durante a vida, apenas algumas valem à pena.

22 – …paixão é muito melhor que o amor.

23 – …cicatrizes internas não desaparecem com o tempo.

24 – …fazer algo criativo é o que eleva a autoestima.

25 – …nada é mais gostoso que um banho de mar num final de tarde.

26 – …equilíbrio é bom, mas deixa a vida morna.

27 – …algumas vezes esquecemos os momentos inesquecíveis.

28 – …o que os outros pensam sobre você é problema deles.

29 – …temos mais coisas boas na vida. A gente às vezes é que não enxerga.

30 – …levar a vida pensando apenas em “ser aceito” é o primeiro passo para ser rejeitado.

31 – … de uma forma ou de outra, TUDO um dia acaba. Até a vida.

32 – …ajudar em silêncio dá mais prazer do que “contar pra todo mundo”.

33 – …o amor é a maior causa do sofrimento.

34 – …seres humanos não são confiáveis.

35 – …um sorriso atrai outro sorriso.

36 – …politicamente corretos cansam a beleza de qualquer um.

37 – …as pessoas lidam melhor com a mentira do que com a verdade.

38 – …jogar limpo, é a melhor maneira de sair sujo.

39 – …poucas são as pessoas que bancam suas escolhas.

40 – …dinheiro pode não trazer a felicidade, mas tê-lo dá um alívio…

41 – …só quem trabalha com arte, faz realmente o que gosta.

42 – …a verdade é uma só: todos mentem.

43 – …”observar” é a melhor escola.

44 – …as pessoas trabalham muito e se divertem pouco.

45 – …criar expectativas é burrice.

46 – …são nossos pais, quando nos proíbem de tudo, que nos ensinam a mentir.

47 – …crescer dá muito trabalho, mas é necessário.

48 – …”amor da vida” não existe.

49 – …empatia é a coisa mais importante nas relações humanas.

50 – …a felicidade está na busca e não na conquista.

MM

Publicado em Ego. 15 Comments »
%d blogueiros gostam disto: